Imagem Ilustrativa
Imagem Ilustrativa

Tiago Marques | Redação 96FM

A publicação do polêmico decreto de Jairo Magalhães repercutiu em todo o país. Explicação para o ato até agora não foi encontrada, no entanto uma motivação pode existir. Durante um culto religioso realizado em Caetité, provavelmente no ano de 2015, um pastor evangélico começou a se direcionar em sua pregação à Jairo. O religioso disse várias vezes que havia “macumbas” contra o então pré-candidato em Guanambi. “Tem macumba em Guanambi, Deus foi lá em Guanambi hoje contou essa bruxaria, essa macumbaria”, diz o pastor.

O pastor fala que vê Jairo sentado na cadeira do gabinete. “Você vai sentar naquela cadeira, o homem queira ou não queira Deus vai cumprir… Deus tá entrando na prefeitura, Deus tá trabalhando, eu vi a parte do prefeito, eu vi exaltação, eu vi milagre… (línguas estranhas)… foi feito trabalho de macumba encomendado em Guanambi para acabar com a sua vida, eu vejo um pote que foi feito pra tu ficar (inaudível) em cima de uma cama… olhos os projetos sociais que você têm oh, olhos projetos, olha os projetos, olha uma mesa, olha uma cadeira… tô indo lá  no Cemitério, lá  em Guanambi, na rua 3, no número 8, tô cortando a macumba, to desfazendo hoje… chegou o tempo de você cantar o hino da vitória… eu via um hospital sendo construído, eu via muitos projetos sociais, eu via muitos assessores perto de você, Deus tem coisa grande pra você”, diz a pregação que é finalizada em línguas estranhas.

VEJA TAMBÉM: O que disse Jairo depois da Eleição

O áudio da pregação chegou a circular em grupos do Whatsapp logo após a eleição. Até o fechamento desta matéria não foi possível confirmar o nome do pastor. Jairo Magalhães emitiu nota dizendo não ter tido a intenção de causar polêmica, apenas ‘ter proteção divina”. Ele pediu desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas, mas não revogou o decreto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui