Ao comentar a cachina do último domingo (1º) em um presídio de Manaus, o secretário nacional de Juventude, Bruno Júlio (PMDB-MG), defendeu que “tinha era que matar mais”.

Em entrevista ao blog do jornalista Ilimar Franco, do jornal O Globo, ele justificou a opinião argumentando que é filho de um policial, o ex-deputado federal Cabo Júlio. “Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana”, declarou.

O secretário ainda comparou o caso em Manaus com a chacina que aconteceu em uma festa de Réveillon na cidade de Campinas. “Olha a repercussão que esse negócio que o presídio teve e ninguém está se importando com as meninas que foram mortas em Campinas. Elas, que não têm nada a ver com nada, que se explodam. Os santinhos que estavam lá dentro, que estupraram e mataram: Coitadinhos, oh, meu Deus, não fizeram nada! Para, gente! Esse politicamente correto que está virando o Brasil está ficando muito chato. Obviamente que tem de investigar, tem que ver…”, disse. Ao blog do jornalista Ilimar Franco, Bruno ainda criticou a ex-presidente Dilma Rousseff por reduzir em 85% a verba para presídios.

Nesta sexta-feira (6), uma nova rebelião, desta vez em Roraima, deixou 33 presidiários mortos.

Via Bahia Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui