Tiago Marques | Redação 96FM

Um cena se repete a cada quatro anos em vários municípios. Após empossados, novos prefeitos expuseram o sucateamento dos equipamentos públicos herdados das administrações anteriores.

Este ano não foi diferente, pelo menos cinco prefeitos da região usaram os meios de comunicação para mostrar a realidade encontrada nos municípios que acabaram de assumir.

São carros, ônibus, caminhões e maquinas sem condições de funcionamento, prédios públicos em situação precária, documentações bagunçadas e dívidas com fornecedores e com o INSS. Os serviços públicos também foram afetados, há casos de falta de medicamentos e de conservação em unidades de saúde.

Iuiu

Em Iuiu, o prefeito Reinaldo Góes (PSD) fez uma exposição na Praça do Mercado da frota sucateada da prefeitura, foram 26 veículos expostos, alguns sem pneus, baterias e até motor. Nenhuma das quatro ambulâncias está em condições de rodagem, segundo o prefeito, carros de outras secretarias estão sendo usadas no transporte de pacientes.

Ainda segundo o prefeito, os caminhões recebidos pelo município através do PAC em 2014 não foram emplacados e a documentação não foi encontrada. A prefeitura deverá acionar o ex-prefeito Waguinho (PT) na justiça para que ele preste conta da situação dos veículos.

O prefeito Reinado ainda disse que a situação dos prédios públicos é preocupante. Ele disse que uma reforma emergencial está sendo feita para que a prefeitura apresente condições de trabalho. Reinaldo fará uma reforma administrativa antes de nomear o seu secretariado, até o momento, somente a Saúde e Educação possuem titulares.

Entrevista com o prefeito ao Portal Folha do Vale:

Palmas de Monte Alto

O prefeito Manoel Rubens divulgou que também encontrou parte da frota sucateada no município, inclusive veículos novos que rodaram poucos quilômetros. São veículos do transporte escolar, ambulâncias do SAMU e maquinas encontradas sem condições de uso.

Malhada

Em Malhada o prefeito Dezin expôs a frota sucateada em Praça Pública. Segundo o Dezin, o ex-prefeito Gimmy  (PT) colocou em prática uma “política de terra arrasada”, abandonando o município e provocando danos ao patrimônio público assim que perdeu as eleições.

Além da frota, prédios públicos também estão sem condições de uso. Houve também  suspensão de serviços essenciais à população. A coleta de lixo foi suspensa, assim como o trabalho de manutenção de estradas. Ainda segundo o prefeito, servidores contratados foram demitidos, o que inviabilizou o funcionamento do atendimento básico de saúde.

O prefeito disse ainda que os sistemas contábeis de saúde não foram alimentados, o que pode acarretar em bloqueio de recursos. Documentos solicitados durante a transição não foram fornecidos.

Pindaí

O prefeito Ionaldo Prates Naná (PP) usou emissoras de rádio na sua primeira semana de governo para denunciar o sucateamento das estruturas e equipamentos municipais. Segundo o prefeito, não está sendo possível despachar na prefeitura devido a infiltrações, teto prestes a desabar, instalações elétricas e hidráulicas danificadas.

A frota também está sucateada, são onze ônibus sem condições de tráfego encostados no pátio do parque de exposições da cidade. Há também veículos, ambulâncias e máquinas sem pneus e baterias no mesmo pátio. O prefeito disse ainda que o município possui uma dívida de R$7 milhões com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), essa dívida foi dividida em parcelas mensais de R$100  mil. O Hospital Municipal e o SAMU estão funcionando em condições precárias, onde faltam medicamentos básicos e indispensáveis ao atendimento.

O prefeito reclamou que o município arrecadou mais de R$15 milhões com as obras de energia eólica e que a situação parece pior do que antes do recurso.

Igaporã

O Prefeito de Igaporã, José Suly Fagundes Netto (PTN), decretou Estado de Emergência Administrativa pelo prazo de 60. A medida visa possibilitar a  “reavaliação do quadro financeiro e administrativo, e para tomada de medidas e decisões para assegurar a governabilidade”.

Segundo o prefeito, parte do acervo documental não está sendo encontrado e houve desinstalação de softwares de gestão administrativa. O Decreto diz que a situação encontrada pela atual administração, requer medidas urgentes e necessárias “para evitar prejuízos e comprometimento da segurança de pessoas, obras, serviços ou equipamentos, e outros bens, públicos ou particulares”. o Prefeito rescindiu todos os contratos temporários vencidos em 31 de dezembro de 2016, de pessoal, prestadores de serviços e veículos.

Rio do Antônio

o prefeito do município de Rio do Antônio, José Souza Alves (PSD), o Deca, declara ter herdado mais de R$ 30 milhões em dívidas. De acordo com o novo gestor, o ex-prefeito interino da cidade, Gerson Martins (PP), disse ter deixado em caixa R$ 1 milhão, mas segundo ele, em verbas veiculadas que não pode ser gasto por motivos diversos, se esquecendo de avisar a população quanto às dívidas do município. “Após tomar posse em 2 de janeiro de 2017, deparou-se com a coisa pública completamente sucateada, e com as informações públicas dos seus servidores, bens, dados contábeis e de contratos administrativos completamente excluídos dos computadores vinculados à prefeitura municipal e respectivas secretarias”, disse a nota.

O novo gestor rioantoniense, ainda acusou o ex-prefeito de não recolher para o INSS os valores descontados dos servidores. “De um valor mensal em torno de R$ 180 mil, efetuava apenas pagamentos equivalentes a R$ 50 mil, o que gerou um débito previdenciário no patamar de R$ 1.170.000,00”, afirma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui