Redação 96FM

Policias filiados à Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (ASPRA), realizaram um ato na manhã desta sexta-feira (27) no Morro do Cristo em Salvador, em defesa dos profissionais de segurança pública. Em vídeo publicado em redes sociais, um dos integrantes da associação aparece ao lado da esposa do soldado da Polícia Militar José Cardoso Pereira, da 38ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Bom Jesus da lapa), baleado por criminosos no último domingo (22).

O policial faz duras críticas ao Governo do Estado da Bahia e ao comando da Polícia Militar, que não estariam prestando assistência ao policial. O soldado está internado no Hospital Geral do Estado (HGE) desde segunda quando foi transferido para Salvador na aeronave do Graer. Ao contrário do que diz a nota da PMBA, o soldado estaria em estado grave, correndo o risco de ter a perna amputada pelo ferimento causado pelos tiro de fuzil. O projétil destruiu sua veia femural, sendo necessárias quatro bolsas de sangue por dia para manter o tratamento.

O policial ainda critica o prefeito de Bom Jesus da Lapa, recentemente eleito presidente da UPB. Em nota divulgada na segunda-feira (23), Eures Ribeiro lamentou as mortes de dois colegas do soldado e disse que a prefeitura daria total apoio ao policial ferido e às famílias, no entanto a esposa de José Cardoso afirmou que não recebeu nenhuma assistência. “Nenhuma pessoa do Governo do Estado, ou do comando da Polícia Militar apareceu na unidade de saúde”, diz o policial no vídeo. Até o fim da noite desta sexta-feira, a Aspra não havia divulgado nota sobre o discurso do filiado. A Secretaria de Segurança Pública emitiu nota contestando a informação.

O Caso

No final da noite do último domingo, um bando composto por aproximadamente 40 criminosos armados invadiram Bom Jesus da Lapa para assaltar agências bancárias. A Polícia Militar tentou impedir a ação e houve constate troca de tiros. O soldado José Cardoso foi atingido na cintura e em uma das pernas no confronto. Os soldados Everton Oliveira de Santana e Gilberto Lemos da Silva Junior foram feitos reféns e executados pelos criminosos, seus corpos foram encontrados na periferia da cidade.

Um criminoso morreu no confronto com uma equipe do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) que estava na região no momento do confronto. Um outro suspeito de participação no confronto foi encontrado morto em Juazeiro na terça-feira (24). No dia seguinte um suspeito de favorecer as ações da quadrilha foi morto em confronto na cidade de Cocos. Nesta sexta-feira mais dois suspeitos foram mortos em confronto, o primeiro em Riacho de Santana e o segundo em Bom Jesus da Lapa. Dois homens foram presos em Carinhanha na quinta-feira (26) por suposto envolvimento com a quadrilha.

Cerca de 350 policias participam da operação que visa desarticular a quadrilha responsável pelo ataque em Bom Jesus da Lapa e outros municípios da região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui